Educação para fazer a diferença!

Educação para fazer a diferença!

A ​Cimentos Liz renova convênio com a FDG para, junto com a Secretaria Municipal de Educação, dar continuidade a implementação da Gestão Integrada da Educação (GIDE) em Vespasiano.

A renovação foi matéria dos jornais Vespasiano Em Notícias e Tribuna das Gerais. Leia abaixo.

 

 

 

Tribuna das Gerais

05 de junho, Dia Nacional do Meio Ambiente

05 de junho, Dia Nacional do Meio Ambiente

Escola Municipal, parceira da FDG, realiza várias ações para celebrar a data e apresenta novidades de um Circuito Ambiental

Hoje, dia 05, é comemorado o Dia Nacional do Meio Ambiente. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 15 de dezembro de 1972, durante a Conferência de Estocolmo, na Suécia. A proposta desta data é chamar a atenção de todos os governos mundiais sobre a necessidade de implantar medidas emergenciais para prevenir a degradação do meio ambiente.

Foi pensando nisso que a Escola Municipal Francisco Magalhães Gomes, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, inaugurou recentemente um Circuito Ambiental com nascente, lago, criação de peixes, produção de verduras hidropônicas, borboletário, viveiro, entre outras ações. Segundo o diretor da escola Manoel Pantuzzo, toda a comunidade escolar como pais, alunos, professores e funcionários ficaram encantados e envolvidos com o projeto do Circuito. “É uma possibilidade de aprendizado e de despertar o interesse dos alunos por conhecer e manusear o meio ambiente, preservando-o e melhorando-o”.

20170322_103122   20170322_103439 20170322_103821 20170322_105807 20170322_115655 20170322_103832   

Logo após o primeiro mês de existência, o Circuito já ganhou uma estufa para a produção de mudas para as hortas da escola e foi criado ainda um grande pomar com espécies frutíferas. O educador conta que após a iniciativa, todos os professores estão levando seus alunos em “expedições” de conhecimento pelos espaços. “Os alunos vêm demonstrando grande satisfação pelo resultado e por terem sido protagonistas em todas as etapas do projeto”, completou.

O diretor conta que a realização desse projeto só foi possível graças a um prêmio que a escola recebeu após ser inscrita no programa Escolas Sustentáveis. A verba disponibilizada pelo Governo Federal visa incentivar as escolas que apresentam projetos de sustentabilidade e que possam trazer impactos positivos em seus campos de atuação.

Além disso, a Escola é parceira da Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), que por meio da metodologia de Gestão Integrada da Escola (GIDE) auxilia a instituição com projetos e ações gerenciais. “Com a orientação da FDG é possível organizar e implementar processos internos que nos permitem dedicar tempo a mais tarefas, que visam despertar o interesse dos estudantes pelo aprendizado, pela escola e pelos projetos que propomos”, disse Manoel.

 

Fundação de Desenvolvimento Gerencial

Encontro de Gestores/2017

Encontro de Gestores/2017

Durante a manhã do dia 09 de maio, diretores e vice-diretores das escolas parceiras da FDG participaram, em sua sede, do Encontro de Gestores para a apresentação das novas diretrizes de atuação da Fundação.

Encontro de Gestores_2017_e


Na ocasião, a Profª Maria Helena Godoy, coordenadora técnica de projetos, desenvolveu dinâmica que possibilitou aos gestores identificar as forças propulsoras que maximizam e agregam mais eficiência à implementação dos processos de gestão, com impacto positivo nos resultados das escolas. Nesse contexto, foram identificadas também as forças restritivas, que afastam os gestores de seus objetivos.
Na culminância da atividade, foi elaborado um plano de ação conjunto, que deve ser implementado, visando o fortalecimento das forças propulsoras e o enfraquecimento das forças restritivas.
Os parceiros saíram otimistas e esperam, adotando  técnicas inovadoras de gestão, resultados cada vez melhores.

Mais uma vez, a FDG avança no cumprimento de sua missão em prol de uma educação de qualidade.

 

Encontro de Gestores_2017       Encontro de Gestores_2017_c



O limite da paciência

O limite da paciência

Estou desolado, desiludido, sem esperança de um futuro brilhante para o Brasil. Como foi possível chegarmos a esse ponto? Todos os dias estoura um escândalo (o do momento é a Fatura Exposta, no Rio de Janeiro), como resultado de falcatruas em vários níveis da administração pública. A lista divulgada pelo ministro Fachin revela o grande número dos que serão investigados, pessoas importantes da nossa vida pública. Na fazenda, existe o ditado: quando o patrão se assenta, o camarada deita. Fazendo uma analogia: quando os altos dirigentes da República cometem os ilícitos noticiados, os maus exemplos são disseminados amplamente. A situação do Rio é de calamidade: Sérgio Cabral e sua gangue tomaram o estado de assalto. É insuportável constatar que o país está sendo gerenciado por Renans, Eunícios, Jucás, Padilhas, Moreiras, Kassabs, entre outros. Não entendo como o presidente Temer mantém ministros sobre os quais há reiteradas denúncias. Veremos agora como vai proceder, uma vez que seis dos atuais serão investigados. Lembro-me que o presidente Itamar Franco afastou um de seus ministros que fora denunciado. Quando o ministro provou sua inocência, voltou ao posto.

Considero o atual procedimento um deboche, um desrespeito ao povo brasileiro.
O execrável, famigerado, indecente foro privilegiado é a razão deste estado de coisas. Constata-se que há cerca de 33 mil pessoas nesta situação (uma concepção da democracia brasileira!), enquanto na China há cerca de 2.500 (compreensível pela característica do regime chinês) e, nos Estados Unidos, zero. Parece que procede a história de que Deus presenteou o Brasil com muitos recursos e belezas naturais, sem terremotos, vulcões, furacões. Em compensação, deixou aqui alguns políticos (há poucas exceções) da pior índole. O foro privilegiado é a criação dessas brilhantes cabeças. Haja vista a tentativa recente de acabar com essa excrecência. Conseguiu-se número mais que suficiente para votar a PEC relativa ao assunto, em regime de urgência, mas o Eunício, vulgo Índio na definição de doadores de propinas, faz operação tartaruga na tramitação da matéria. Isto interessa a um grande número de parlamentares e integrantes do Executivo, encalacrados até o pescoço em denúncias de práticas corruptas. Como a morosidade é a tônica do STF, este é o melhor dos mundos para os delinquentes protegidos. Com isto, sentem-se seguros, pois reconhecem que ficarão impunes.

Para coroar o processo de impunidade que poderia advir da punição de determinados candidatos nas próximas eleições, sábios congressistas pretendem aprovar uma reforma eleitoral em que, ao eleitor, seriam apresentadas listas fechadas organizadas pelos partidos. A votação passaria a ser no partido. É claro que as listas seriam organizadas pelos mesmos caciques envolvidos nas denúncias tão conhecidas. É o famoso jeitinho, tão reprovável e indecente, de continuar participando da casta do foro privilegiado.

Outra iniciativa para a manutenção do poder é a rejeição da reforma da Previdência. Os demagogos que se dizem defensores dos trabalhadores são contra a maioria das propostas. Ora, com a expectativa de vida no país aumentando, a população envelhecendo e a taxa da natalidade diminuindo, haverá um momento a partir do qual existirá mais gente aposentada do que trabalhando. Restará rezar aos céus para poder pagar os aposentados. Se a reforma não for aprovada, estaremos na contramão da história, se compararmos com muitos países desenvolvidos. Gostaria de enfatizar que trabalho é vida. Manter-se ocupado é um privilégio para poucos. Depois que me aposentei na UFMG, realizei muita coisa no campo empresarial e continuo muito ativo, até mais do que gostaria. E quantos têm a mesma oportunidade que eu tive? Aposentar-se mais cedo para ver a vida passar e esperar o fim?

Em suma, um grupo eclético de parlamentares de várias legendas maquina para a manutenção do poder, em desfavor na nação. Com isso, não se trabalha para a recuperação econômica e enfrentamento dos problemas cruciais do país, condenando-nos ao atraso e subdesenvolvimento.

 José Martins de Godoy
195 – 21/04/2017

Fonte: http://revistaviverbrasil.com.br/plus/modulos/listas/?tac=noticias-ler&id=1800#.WQKIa1XyvIU. Disponível em 27 de abril de 2017.

José Martins de Godoy, engenheiro pela UFMG, dr. engenheiro pela Norges Tekniske Hogskole, ex-diretor da Escola de Engenharia da UFMG, cofundador do INDG, instituidor e integrante do Conselho de Administração Superior da Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), presidente do Conselho de Administração do Instituto Aquila. Visite www.blogdogodoy.com

Cerimônia de Assinatura dos Convênios 2017: renovação do investimento na educação

Cerimônia de Assinatura dos Convênios 2017: renovação do investimento na educação

Hoje, pela manhã, a Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG) promoveu a Cerimônia de Assinatura para renovação dos convênios com as escolas públicas que implementam a metodologia de Gestão Integrada da Educação (GIDE). Além das escolas públicas, a Fundação renovou os contratos com a Empresa de Cimentos Liz (patrocinadora do projeto na Rede Municipal de Educação de Vespasiano, onde está localizada a cimenteira) e com o Colégio Loyola (instituição da Rede Jesuíta de Educação que implementa a GIDE Avançada). O evento foi realizado no Max Savassi Hotel e contou com a participação da equipe da FDG e conveniados.

O encontro é a consolidação do compromisso com a educação entre as partes, sendo também um marco para o planejamento dos trabalhos que virão no ano.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Empresa de Cimentos Liz e o Colégio Loyola renovaram a parceria.  “A equipe da Secretaria de Educação de Vespasiano já demonstrou resultados expressivos. O Planejamento Estratégico da Rede visa elevar o patamar de desempenho dos alunos da Rede. A expectativa é de que em breve os resultados comecem a se consolidar na comunidade escolar. A Cimentos Liz acredita na mudança social por meio da educação”, declara Renata Oliveira, Chefe da Divisão de Comunicação da Empresa de Cimentos Liz.

Escolas e redes de ensino que buscam a metodologia GIDE como ferramenta gerencial têm alcançado melhorias significativa no desempenho dos alunos. A pedagoga e especialista em gestão, Maria Helena Godoy, assegura que investir na educação é promover um futuro melhor para todos. “Alunos, pais, professores e educadores em geral sabem que os Municípios precisam atingir índices mais elevados de qualidade no ensino. O aluno que aprendeu o esperado, no tempo certo com qualidade, com certeza conseguirá melhores oportunidades para a vida. As empresas que investem em educação sabem que, com a comunidade escolar melhor preparada, há mais chance desses alunos continuarem os estudos, e num futuro próximo, a mão-de-obra local já estará mais qualificada para ser contratada no próprio Município”.

Ganho para todos

A expectativa da FDG é dar continuidade à transferência do conhecimento gerencial, com o propósito de que as escolas e Redes possam assimilar esse aprendizado e perpetuar a gestão educacional nas instituições. “As parcerias firmadas pela FDG acrescentam muito conhecimento para as escolas que estão engajadas em melhorar o ensino no país. Tanto escolas quanto a FDG têm consciência que um país só se torna grande por meio do caminho da educação. Esse propósito é o que une escolas e FDG”, garantiu Maria Helena Godoy.

Dia Mundial da Água: alunos mais conscientes sobre a necessidade de conservar esse bem

Dia Mundial da Água: alunos mais conscientes sobre a necessidade de conservar esse bem

A E.M. Francisco Magalhães Gomes, parceira da FDG, está dando exemplo de como consumir a água com sabedoria. A direção revitalizou uma nascente, e com muito trabalho e campanhas educativas, a instituição conseguiu uma horta que abastece a cozinha, um viveiro de pássaros e um lago cheios de peixes. Assista a matéria.

 

Fonte: http://noticias.r7.com/minas-gerais/mg-record/videos/escola-de-bh-da-exemplo-de-como-consumir-agua-com-sabedoria-22032017. Disponível em 23/03/2017 às 13h34.

É preciso aplicar a gestão

É preciso aplicar a gestão

Participei recentemente de uma reunião em uma entidade interessada em contribuir para a solução de problemas brasileiros, como saúde e segurança. Buscava a possibilidade de conduzir um projeto piloto como demonstração de que resultados de tais áreas podem ser melhorados. Queria parceiros financiadores e tecnologias para abordagem do citado projeto. O coordenador da reunião assinalou que tinha conhecimento de um projeto em que se aplicava o PDCA, dando a entender que aquilo já era. Fiquei desapontado, pois o PDCA é o que há. É um método científico para a solução de problemas, para atingir resultados. Como gestão é atingir metas, vencer desafios, melhorar resultados, o PDCA é o cerne da gestão. A lógica do método é matadora. Aplica-se em qualquer situação, em qualquer área, em qualquer tipo de problema. Para problemas mais simples, ferramentas mais acessíveis; em problemas complexos, ferramentas mais poderosas. A propósito, a maioria das pessoas não sabe o que é problema. Os problemas estão nos resultados; portanto, é um resultado ruim ou algo que precisa ser melhorado. Numa escola, os problemas são a alta taxa de reprovação, de abandono e rendimento pífio da maioria dos alunos aprovados.

Concluí que a maioria dos dirigentes e técnicos que deveriam ser os promotores de mudanças não tem conhecimento do que é gestão. No caso do PDCA, conhecem o significado das iniciais, mas não sabem aplicar o método. Há sempre a busca de alguma panaceia para, num passe de mágica, mudar realidades que só seriam sanadas com conhecimento adequado, muito trabalho e perseverança. Haja vista, no caso da educação, as numerosas visitas à Coreia do Sul, Finlândia e China. Lá encontram professores bem formados, com mestrado, bem remunerados; professores e alunos presentes na sala de aula; currículo cumprido; seriedade; exigência ferrenha, entre outros. Não seria preciso ir muito longe, se não tivéssemos memória tão curta. Lembraríamos do Colégio Estadual de MG, das décadas de 1950 e 60. O que lá havia? Os melhores professores, bem remunerados, nomes famosos e reconhecidos na comunidade. Seriedade absoluta e exigência de elevado desempenho dos alunos. Poderão dizer que agora o ensino é massificado e que não é possível reproduzir as mesmas condições. Certo, em parte. Porém, a fórmula é conhecida.

A minha decepção vai além. Nos últimos 30 anos, treinamos milhares de dirigentes empresariais e da área pública. As empresas reproduziram os ensinamentos para seus colaboradores, chegando à casa de milhões de pessoas. Foi feito um grande mutirão para resolver problemas e aumentar a produtividade. Tiveram que fazer isso porque constataram que a maioria das empresas estava no vermelho quando da redução da inflação: o lucro aparente vinha de aplicações financeiras. Várias empresas alcançaram patamares de excelência e algumas se transformaram em multinacionais. Que vemos agora? Pessoas que foram treinadas estão se aposentando e as que estão sendo repostas não são treinadas em solução de problemas. Encontramos muitos craques em ditar a problemática, mas não apresentam a solucionática, como diria Dario, o Peito de aço. Além disso, depois de determinado período de bonança, houve um relaxamento e o trabalho que precisaria ser contínuo, metódico e persistente foi negligenciado. Como consequência, o país ocupa hoje a 81ª posição no ranking da competitividade mundial. É preciso ter a consciência de que a competitividade é conquistada com aporte de conhecimento, trabalho duro e incessante, envolvendo todas as pessoas. Quando procuramos ressaltar a necessidade de voltarmos a aplicar gestão para atingir melhores resultados, há aqueles que julgam o esforço realizado no passado como um modismo. Querem uma estratégia milagrosa para, sem muito esforço talvez, resolver os nossos imensos desafios. A falta de conhecimento é tão impressionante que chegam a sentenciar que o PDCA já era, quando não sabem sequer do que se trata, tenho certeza. Na área pública, isso é uma verdade inconteste. Ouviram o galo cantar e não sabem onde. Se conhecessem a potência do método e soubessem aplicá- lo, o país não se encontraria na lamentável posição acima.

José Martins de Godoy
193 – 17/03/2017

José Martins de Godoy, engenheiro pela UFMG, dr. engenheiro pela Norges Tekniske Hogskole, ex-diretor da Escola de Engenharia da UFMG,cofundador do INDG, instituidor e integrante do Conselho de Administração Superior da Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), presidente do Conselho de Administração do Instituto Aquila. Visite www.blogdogodoy.com

Fonte: http://revistaviverbrasil.com.br/plus/modulos/listas/?tac=noticias-ler&id=1751#.WNAdum8rLIU. Disponível em 20 de março de 2017.

Secretaria de Educação lança o Portal Escola Interativa em instituição parceira da FDG

Secretaria de Educação lança o Portal Escola Interativa em instituição parceira da FDG

Plataforma digital dinamiza o processo de ensino e aprendizagem

15 de Fevereiro de 2017 , 17:46
Atualizado em 20 de Fevereiro de 2017 , 13:38

escolainterativa_JB_FDG

Estudantes, professores, gestores escolares e o público em geral têm, agora, mais uma ferramenta para estudo e compartilhamento de conteúdos educativos. A Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais lançou, nesta quarta-feira (15/02), o Portal Escola Interativa, em evento realizado na Escola Estadual Padre João Botelho, em Belo Horizonte. Totalmente gratuita e colaborativa, a plataforma virtual busca dinamizar o processo de ensino e aprendizagem, auxiliando no planejamento e trabalho das competências, habilidades e conteúdos curriculares da Educação Básica nas diferentes áreas do conhecimento.

Realizado em parceria com o Instituto Natura, Instituto Inspirare e Fundação Telefônica/Vivo, o Portal insere-se na proposta de inovação tecnológica da Secretaria de Educação e garante o direito à aprendizagem a todos os estudantes mineiros. “É uma grande oportunidade para a juventude ampliar seus conhecimentos e saberes. Desde 2015, estamos buscando avançar nas políticas de inclusão digital, reestruturando o nosso sistema de gestão escolar, trocando e comprando computadores, pois compreendemos que o direito à educação não está desconectado de outros direitos, como o direito à inclusão digital e à conectividade, que são fundamentais para o avanço educacional”, explica a secretária de Estado de Educação, Macaé Evaristo.

A secretária destacou o caráter colaborativo e democrático da plataforma. “Vamos estabelecer uma grande rede de troca de conhecimento, que a internet nos possibilita, trazendo a experiência e as boas práticas das diferentes escolas da nossa rede estadual. É uma ferramenta que vai conectar os professores de Minas Gerais e de todo o país, que compartilharão seus objetos de aprendizagem, os estudantes poderão rever, em casa, o conteúdo aprendido em sala e os pais poderão apoiar e acompanhar o aprendizado de seus filhos”, relata Macaé.

A plataforma

Com o intuito de formar uma comunidade de aprendizado, o Escola Interativa é fruto do Escola Digital, que está presente em municípios de 20 estados do Brasil, e conta com quase 15 mil objetos digitais de aprendizagem. Segundo Milada Gonçalves, gerente da área de Educação da Fundação Telefônica Vivo, a ideia é contribuir para a melhoria da qualidade da educação. “Queremos colaborar e apoiar processos de inovação educativa por meio de novas metodologias e tecnologias, experimentar um outro olhar para a educação”, ressalta ela, destacando a autonomia proporcionada aos estudantes. “Eles podem conduzir sua própria aprendizagem, seguindo seus interesses, ou seja, não se restringindo a fazer uma pesquisa apenas de uma aula ou conteúdo abordado pelo professor. Os jovens são sedentos por saber, são curiosos e pretendemos, cada vez mais, estimulá-los a aprender e buscar mais conhecimento”, afirma Milada.

Secretaria de Educação e professores conhecem o portal Escola Interativa. Foto: Carlos Alberto / Imprensa – MG
Secretaria de Educação e professores conhecem o portal Escola Interativa. Foto: Carlos Alberto / Imprensa – MG

 

Na página inicial do portal, os visitantes têm acesso às disciplinas curriculares do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da Educação de Jovens e Adultos, Educação do Campo, Educação Especial, Educação Indígena, Educação Quilombola e Educação Infantil, apresentados nas mais diversas mídias – aplicativo móvel, animação, áudio, jogo, infográfico, áudio digital, livro digital, entre outros. “A plataforma irá auxiliar o nosso fazer pedagógico e é um avanço, pois é urgente as escolas repensarem as suas práticas numa perspectiva digital, e uma forma de acompanharmos nossos alunos, que são ávidos por tudo o que a internet oferece”, comenta Eliani França, diretora da Escola Estadual Padre João Botelho.

De acordo com Sara Silveira Andrade, vice-diretora e coordenadora pedagógica da Escola, o portal será incorporado à realidade dos estudantes e professores, principalmente durante as atividades realizadas no laboratório de informática da escola. “Vamos explorar todas as possibilidades da plataforma, desde o conteúdo das disciplinas até os planos de aulas disponíveis”, garante.

Acostumado a utilizar a internet para seus trabalhos escolares, João Paulo Souza, estudante do 2º ano do Ensino Médio, conheceu o Portal Escola Interativa e garantiu que a plataforma mudará a maneira de aprender e estudar. “É uma forma interessante de sairmos da rotina padrão da sala de aula e prenderá a atenção dos alunos, com os jogos educativos, os áudios. Vou divulgar para meus irmãos e amigos”, conta.

Apoio ao professor

Além do conteúdo curricular, o portal possui um espaço para apoio ao professor, que contém material pedagógico, planos de aulas detalhando o planejamento para se desenvolver determinado conteúdo a partir de um recurso digital, além das principais notícias sobre as políticas educacionais do estado. “Essa iniciativa vai aprimorar a maneira como eu e meus colegas atuamos em sala de aula e poderemos, através das ações compartilhadas, contribuir para os processos pedagógicos da escola. Além disso, é uma maneira de ficarmos mais próximos dos estudantes e tornar as aulas mais atrativas para eles”, afirma Érica Mendonça, professora do 5º ano do fundamental da Escola Estadual Padre João Botelho.

Para os professores e gestores, o Escola Interativa ainda oferece, gratuitamente e a distância, o Curso Tecnologia na Educação. Com certificação reconhecida pelo Ministério da Educação e duração de 40 horas, o curso auxilia os profissionais a utilizarem a plataforma no espaço escolar para construção de saberes, resolução de problemas, divulgação e tratamento da informação.

A plataforma será mantida com conteúdo elaborado pela Secretaria de Educação, com material disponível no Portal da Educação e com sugestões de professores e do público em geral. Interessados em colaborar, sugerindo objetos digitais de aprendizagem ou plano de aula, deverão realizar um cadastro prévio na própria plataforma. Após o envio, o material será analisado pela Curadoria do Portal, composta por servidores do órgão central da Secretaria de Estado de Educação, e disponibilizado aos usuários.

Fonte: https://www.educacao.mg.gov.br/component/gmg/story/8624-secretaria-de-educacao-lanca-o-portal-educacao-interativa. Disponível em 21/02/2017.

Concurso Internacional de Redação de Cartas: Agência da ONU e Correios Abrem Inscrições para 2017

Concurso Internacional de Redação de Cartas: Agência da ONU e Correios Abrem Inscrições para 2017

Até 17 de março, escolas brasileiras podem inscrever alunos no 46º Concurso Internacional de Redação de Cartas, uma iniciativa da União Postal Universal (UPU). Podem participar estudantes de até 15 anos de idade. No Brasil, a competição fica a cargo dos Correios, responsável por organizar as etapas estaduais e nacional.

Tema da edição deste ano do concurso é: “Imagine que você é um assessor do novo secretário-geral da ONU, António Guterres. Qual é o problema mundial que você o ajudaria a resolver em primeiro lugar e de que forma você o aconselharia para isso?”.

Imagem: Correios

Até 17 de março, escolas brasileiras podem inscrever alunos no 46º Concurso Internacional de Redação de Cartas, uma iniciativa da União Postal Universal (UPU).

Podem participar estudantes de até 15 anos de idade, que deverão escrever um texto sobre o tema: “Imagine que você é um assessor do novo secretário-geral da ONU, António Guterres. Qual é o problema mundial que você o ajudaria a resolver em primeiro lugar e de que forma você o aconselharia para isso?”.

As redações dos estudantes deverão ser encaminhadas aos Correios, organismo responsável pela competição no Brasil. O concurso será desenvolvido em quatro fases: escolar, estadual, nacional e internacional; esta última é de responsabilidade da UPU.

Os Correios convidam centros de ensino a realizarem versões locais do concurso, entre o próprio corpo discente, a fim de escolher até duas cartas para uma seleção estadual — que premiará as três melhores redações inscritas em cada estado. Apenas a primeira colocada, porém, será encaminhada à etapa nacional, que escolherá a melhor carta do país para representar o Brasil na fase internacional.

Os participantes podem basear suas composições nos Objetivos de Desenvolvimento
Sustentável (ODS), um conjunto de metas adotadas pelos Estados-membros da ONU em 2015. Saiba mais sobre os ODS em nacoesunidas.org/pos2015.

Localizada em Berna, na Suíça, a UPU busca melhorar a alfabetização através da arte da escrita epistolar. O organismo vinculado às Nações Unidas Incentiva a expressão da criatividade e o aperfeiçoamento dos conhecimentos linguísticos de crianças e adolescentes.

Saiba tudo sobre o concurso em http://bit.ly/2lMSckC.

Fonte: https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-e-correios-abrem-inscricoes-para-concurso-internacional-de-cartas/ Disponível em 15/02/17

12312