Segundo especialista, o maior desafio para o professor, hoje, é saber planejar aulas e atividades cada vez mais atrativas, uma vez que os alunos estão inseridos em um mundo tecnológico em que as informações são acessadas com o maior nível de sofisticação e em tempo real.

A data de 15 de outubro é merecidamente dedicada ao Dia do Professor, mas ainda são poucas pessoas que enxergam e entendem o importante papel que ele desempenha também como gestor da sala de aula. Segundo a pedagoga Maria Helena Godoy, coordenadora técnica dos projetos educacionais da Fundação de Desenvolvimento Gerencial (FDG), o professor, hoje, vive um grande desafio de saber planejar aulas e atividades cada vez mais atrativas, usando materiais e abordagens alternativas, uma vez que os alunos estão inseridos em um mundo tecnológico em que as informações são acessadas com o maior nível de sofisticação e em tempo real. “Cabe a ele identificar as experiências prévias dos seus alunos e inovar sistematicamente para que o interesse deles seja mantido. A gestão pode contribuir também nesse aspecto, uma vez que orienta para a identificação, o registro e a difusão de melhores práticas nas escolas”.

Ela acredita que o professor é um gestor de sala de aula, na essência da palavra e explica que gerenciar é organizar os meios para atingir os fins. “Portanto, cabe a ele desenvolver o processo ensino aprendizagem, com a melhor qualidade possível (cuidando do material pedagógico, da abordagem selecionada e outros meios), para que os resultados de aprendizagem sejam atingidos. Por isso, o professor deve sempre buscar estipular objetivos para o trabalho em sala de aula e com os alunos. Quem não tem meta, não gerencia. As metas dão o norte, mostrando onde se deve chegar ou quais resultados desejam alcançar”, garantiu Maria Helena.

Um exemplo é a meta do IDEB, estabelecida pelo MEC. Segundo a especialista, em um processo de gerenciamento mais avançado, é interessante estabelecer metas até por aluno. “Dessa forma, além das metas da escola/turma, cada aluno irá gerenciar o seu próprio desenvolvimento. Evidentemente, metas pedem planos de ação para que sejam atingidas. A gestão engloba os elementos indispensáveis para atingir melhores resultados. A aplicação do método científico de solução de problemas (PDCA) tem apoiado redes de ensino e escolas (mais de 5.500 escolas em 10 estados do Brasil), na busca de melhores resultados no processo ensino aprendizagem. Os resultados são significativos. Redes de ensino e escolas que aplicam a metodologia têm apresentado crescimento exponencial nas notas do IDEB e são vistos como referência para outras redes e escolas no País”.

Mas, para isso também é importante a participação de toda a escola, principalmente a direção. “A direção é a liderança máxima da escola. Quando se aplica gestão na área educacional, comprova-se que resultados na educação são conquistados observando-se três elementos: liderança, conhecimento técnico (fazer pedagógico) e conhecimento gerencial. Cabe, portanto, à liderança, convocar a comunidade, motivá-la para trabalhar por metas mais elevadas, conduzir a implementação de planos de ação robustos e consistentes, monitorando e tomando as ações corretivas em caso de insucesso, além de padronizar as boas práticas. Isto é gestão!”, afirmou a coordenadora de projetos da FDG”

Trabalho em equipe

Outra parte importante desse processo é o envolvimento dos pais com a educação dos filhos. As notas da Prova Brasil, cruzadas com os dados dos questionários do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) sobre participação de pais, mostram que os resultados dos alunos, até o quinto ano, podem ser incrementados em torno de 20%, quando os pais são parceiros da escola. De acordo com a pedagoga, o envolvimento dos pais é um exercício de persuasão a ser conduzido pelas lideranças da escola, mostrando os benefícios para os filhos. “Há escolas que fazem atividades paralelas que envolvem os pais, no sentido de fazê-los participar da vida escolar dos filhos”.

Ela acrescenta que a rotina escolar também deve existir, além de ser bem planejada e cumprida. Ainda segundo a especialista, isso propicia previsibilidade no cumprimento dos conteúdos e no atingimento das metas estabelecidas. “É impensável uma escola que conduza as atividades de forma aleatória. É absolutamente importante que a escola consiga atrair os pais para que eles sejam seus parceiros, na busca da excelência do processo ensino aprendizagem. Esta postura é especialmente importante para os alunos mais novos (até o quinto ano). Atuando assim, os hábitos, estabelecidos na escola serão mantidos em casa e os resultados da aprendizagem serão potencializados”, completou.

 

Fundação de Desenvolvimento Gerencial